top of page
  • Foto do escritorPaulo Markun

Americanos subestimam letalidade da Covid-19 entre os velhos, segundo pesquisa

Atualizado: 18 de jun. de 2023

Novas pesquisas indicam que os norte-americanos subestimam a letalidade da Covid 19 entre os velhos. Embora a maioria ache que as pessoas com mais de 55 anos são responsáveis por pouco mais da metade dos óbitos por coronavírus (57,7%), na realidade esse percentual é de mais de 90%. O engano acontece também ao estimar as mortes entre os que tem menos de 40 anos: os entrevistados estimaram um percentual de cerca de 30% quando o número real é menor que 3%.

As descobertas aconteceram num projeto de pesquisa conjunto Franklin Templeton-Gallup divulgado no final do mês passado. Os resultados são baseados em pesquisas online conduzidas por mais de 10.000 adultos norte-americanos com 18 anos ou mais de 2 a 14 de julho. Os pesquisadores também descobriram que os americanos acreditavam que as pessoas com 44 anos ou menos representavam cerca de 30% do total de mortes por coronavírus, quando o número real era inferior a 3%.

“Quase todas as mortes nos EUA ocorreram entre pessoas com mais de 55 anos; No entanto, um grande número de americanos ainda está convencido de que o risco para os menores de 55 anos é quase o mesmo que para os mais velhos ”, disse Sonal Desai, diretor de investimentos da Franklin Templeton Fixed Income, em um comunicado.

A pesquisa também constatou que os jovens têm um medo da Covid 19 que as estatísticas de óbito não sustentam: 58 por cento das pessoas com idade entre 18 e 24 anos, que respondem por apenas 0,1 por cento de todas as mortes do COVID-19, disseram temer consequências significativas para a saúde se forem infectadas com o vírus.

Os pesquisadores atribuíram as discrepâncias ao partidarismo e às redes sociais: “O medo e a raiva são os motores mais confiáveis do engajamento; histórias assustadoras de jovens vítimas da pandemia, sugerindo que todos corremos o risco de morrer, rapidamente se tornam virais; o mesmo acontece com as histórias que culpam seus adversários políticos por tudo ”, disse Desai. “Tanto a mídia social quanto a tradicional têm produzido ambos os tipos de narrativas para gerar mais cliques e aumentar seu público.”

Foram pessoas que confiaram nas redes sociais como sua principal fonte de informação sobre a pandemia de coronavírus que apresentaram a “percepção de risco mais errônea e distorcida”, de acordo com a pesquisa. Embora o risco de morte por COVID-19 seja mínimo entre os jovens, especialistas em saúde alertam que a pandemia de coronavírus está cada vez mais sendo conduzida por pessoas de 20 a 30 anos que podem ter poucos ou nenhum sintoma, mas representam um perigo para a população idosa muito mais vulnerável.

Outro estudo, este sueco, do Karolinska Institutet mostrou que o grau de fragilidade, uma medida do nível funcional de uma pessoa antes de contrair a doença, pode prever melhor a sobrevida do COVID-19 do que a idade do paciente.A análise de 250 adultos mais velhos multimórbidos que receberam tratamento para COVID-19 no Ageing Theme no Karolinska University Hospital em Huddinge, Suécia, mostrou que três em cada quatro desses pacientes sobreviveram. O estudo foi publicado no Journal of the American Medical Directors Association.

Os velhos têm sim, um risco aumentado de desenvolver casos graves de COVID-19 e morrer da doença, mas as diferenças individuais são grandes. As recomendações gerais da Suécia sobre distanciamento social se aplicam a todas as pessoas com mais de 70 anos, independentemente de sua saúde individual.

A idade mais elevada, mas também a fragilidade, esteve associada a um maior risco de morte durante o período de atendimento. Fragilidade é um conceito relativamente novo usado como ferramenta para descrever o nível funcional de um paciente antes que ele sofresse de uma doença aguda.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Inteligência artificial em 2011

O texto abaixo escrevi para a coluna Penso, que mantive por curto período no Diário Catarinense. É de 2011. Ainda atual, acho. Nos dias 14, 15 e 16 de fevereiro, a televisão americana apresentou uma u

Comments


bottom of page